Por Leandro Oliveira

Foi adiada nesta terça-feira (27) a 2ª discussão do projeto de lei 1082/11 que proíbe a distribuição de materiais didáticos sobre a diversidade sexual em escolas públicas municipais do Rio de Janeiro. O projeto fascista do vereador Carlos Bolsonaro (PP) recebeu duas ementas e foi retirado da ordem do dia, seguindo para as comissões.

Os vereadores Eliomar Coelho e Paulo Messina discursaram contra o projeto. Eliomar (PSOL) disse que a discussão não é sobre a homossexualidade, mas sim sobre a dignidade da pessoa humana e a inviolabilidade do direito a vida. O vereador ainda defendeu que o combate ao preconceito precisa passar pela escola e que o projeto é um atentado contra a constituição e tratados internacionais de respeito aos Direitos Humanos assinados pelo Brasil.

Já o vereador Paulo Messina (PV) lembrou que as escolas públicas abrigam 80% das crianças do Rio de Janeiro e que são elas, que no futuro reproduzirão os preconceitos que hoje vivemos em nossa sociedade. Messina que se posicionou contra o projeto de Bolsonaro, propôs uma ementa que retira os termos de preconceito e limita as idades.

Após aprovado em primeira discussão nesta quinta-feira (22) o projeto recebeu diversas críticas e um abaixo-assinado com mais de 18 mil assinaturas (assine você também clicando aqui).