Por Marcos Oliveira

Na edição Nº 84 referente ao mês de Maio/2012 da “Revista Fiel”, distribuída pela Editora Central Gospel que pertence à Associação Vitória em Cristo, o Pastor Silas Malafaia utiliza-se do seu habitual terrorismo psicológico para convencer os seus fiéis a pagarem a quantia de R$ 50 por um livro homofóbico e emprestarem tal livros para conhecidos e familiares.

Trata-se do livro “A Estratégia: O plano dos homossexuais para transformar a sociedade”, uma adaptação/tradução do livro “The Agenda”, do reverendo norte-americano Louis P. Sheldon.

Segundo o site da Associação Vitória em Cristo, A Revista Fiel é uma publicação mensal da Associação Vitória em Cristo (Avec), distribuída exclusivamente aos Parceiros do Ministério Silas Malafaia.

Os “parceiros” ministeriais são divididos de acordo com a mínima quantidade financeira que depositam na conta da Associação Vitória em Cristo: R$ 15, R$ 30 ou R$ 1.000.

Um breve conhecimento sobre o reverendo nos leva a imaginar a provável semelhança existente nas atitudes e comportamentos dele com o Pastor Silas Malafaia:

O livro ‘’A estratégia’’ foi escrito pelo reverendo Louis Sheldon, conhecido nos EUA como ‘’Lou Sheldon’’, fundador da ‘’Traditional values Coalition’’, uma organização categorizada pela ‘’Southern Poverty Law Center’’ (entidade de defesa dos direitos civis) como grupo de ódio.

A Traditional Values Coalition é um grupo pequeno, mas influente entre os conservadores, basicamente formada pelo Reverendo Lou Sheldon e sua filha, Andrea Sheldon Lafferty, tão maluca quanto o pai; certa ocasião ela afirmou ter enfrentado uma bruxa que jogou feitiços sobre o Senado.

Sheldon foi bastante longe no seu extremismo homofóbico, o suficiente até mesmo para o comentarista conservador Tucker Carlson, que o entrevistava, ficar chocado com o seu nível de ignorância.

Carlson mencionou que Sheldon havia dito que o maior problema que os bairros negros enfrentam atualmente é a homossexualidade. ‘’A homossexualidade é o maior problema nos bairros de periferia e cidades do interior? Maior que o desemprego? Maior que a violência? Maior que a pobreza? O que o reverendo Lou tinha dito era bizarro e assustador também’’, reagiu Carlson posteriormente.

Ele também disse que Sheldon era um ‘’esquisitão’’ e ‘’charlatão’’, por pregar que os gays são imorais enquanto embolsava dinheiro corrupto de Abramoff.

A fundação de Sheldon foi acusada de receber propina de um cliente do Lobista de cassinos Jack Abramoff como parte de um dinheiro empregado para derrubar uma lei que criminalizava a jogatina.

Segundo o Washington Post, Abramoff chamava Sheldon de ‘’Louie sortudo’’.

A Traditional Values Coalition há muito proclamava sua hostilidade contra o jogo, e envolveu-se também em uma cruzada contra ele.
Então, enquanto Sheldon admoestava os americanos declarando que a agenda homossexual estava a destruir a fibra moral da América, ele secretamente tomava o partido dos interesses que publicamente rejeitava.

Essa hipocrisia descarada escandalizou a direita conservadora dos EUA, mas não parece deter os paladinos da moral e dos bons costumes em terras brasileiras, que continuam a apoiar-se em mentiras e apostando na difamação para negar os direitos civis de pessoas LGBT.

Fonte: Blog a Profetisa.

No dia 11 de abril deste ano, o deputado federal, e representante da Frente Parlamentar LGBT no Congresso, Jean Wyllys (PSOL-RJ), relatou em seu perfil no twitter que o Pastor Silas Malafaia esteve no Congresso e distribuiu livros homofóbicos aos parlamentares, conclamando-os a conhecerem “a verdade”.

As empresa neopentecostal do pastor Silas Malafaia deve estar lucrando bastante: hoje ele gastou horrores em seu lobby no Congresso.

Malafaia distribuiu, aos congressistas (entre os quais, eu mesmo), duas pérolas do proselitismo disfarçadas de tratados “científicos”. As pérolas do proselitismo fundamentalistas: a) “Nascido gay? – existem evidências científicas para a homossexualidade?”, de J.S. H. Tay; “A estratégia – o plano dos homossexuais para transformar a sociedade”, do reverendo Louis P. Sheldon.

O “mimo” de Malafaia aos congressistas veio acompanhado de uma cartinha em que o “ungido” pastor os conclama a conhecer a “verdade”. 

Li os dois livros e eles não passam de um arrazoado que deturpa conceitos científicos e busca dar verniz acadêmico à homofobia. São conceitos da ciência deturpados para mascarar o proselitismo mais abjeto porque a serviço da opressão de uma minoria.

A pergunta é: por que os homossexuais se tornaram a obsessão de Silas Malafaia? Por que ele insiste tanto nessa questão? O que Malafaia e quem lhe segue (Malta, Lindbergh e quejandos) têm a esconder com a cortina de fumaça da homofobia?

Quantas vezes o ministério da Fazenda apresentou à sociedade um relatório da prestação de contas das igrejas-empresas neopentecostais? Sem prestar contas à sociedade com o que arrecadam da exploração da fé, fica fácil gastar dinheiro com a distribuição de livros! 

Com dinheiro não-tributado (logo, dinheiro nosso!) nem fiscalizado, fica fácil gastar para promover o ódio a seres humanos como nós! E com dinheiro não-tributado nem fiscalizado, pronto pra ser aplicado em campanhas, fica fácil seduzir demagogos para sua causa.

E quem levanta a voz contra esse golpe nas liberdades civis e no estado laico e democrático de direito que diz assegurá-las?

Eu me contentaria em apenas desprezá-lo se ele não tivesse tentáculos no Executivo e no Legislativo nos três níveis. Eu me contentaria em apenas desprezá-lo se ele não usasse o dinheiro que arrecada sem tributação para comprar horário na tv!

Fonte: 1234567891011121314151617

Assim como o reverendo Louis Sheldon que fazia sua cruzada homofóbica nos EUA e recebia “atrás das cortinas” dinheiro de corrupto, o que esconderá o Pastor Silas Malafaia atrás desta cortina de fumaça da sua cruzada homofóbica?
Malafaia não parece querer  dinheiro para financiar uma campanha, mas sim o seu canal de TV e para isso elegeu o movimento gay como alvo, um modo sutil para arrecadar o dinheiro dos conservadores.