Por Marcelo Gerald

Karol eu fiquei pensando se deveria escrever uma resposta pra ti, não gostei quando você condenou Viviany na Parada LGBT deste ano, muito menos por ter atacado o movimento LGBT, naquele dia eu disparei, “um dia ela irá sentir na pele o que é ser discriminada” e a resposta veio rápida, sinceramente não me sinto bem por isto, você sentiu o que a gente aqui no Brasil passa todos os dias, semana passada com outros ativistas em Brasília estávamos discutindo medidas contra a discriminação, enquanto os fundamentalistas religiosos armavam um circo em outra sala pra aprovar o que chamam de “cura gay”. Imagine o transtorno e dor que isto irá causar a centenas se um dia for aprovado.

karolKarol você parece ser uma pessoa que tenta ser justa, honesta e batalhadora. Parece ter deixado o Brasil pra conquistar seus sonhos e admiro isto, admiro quem corre atrás, do lado de cá eu torço pra que consiga, por aqui tem gay e lésbica que teme um dia ter que fugir do país por conta do fundamentalismo religioso, no Congresso surge quase toda semana um projeto de lei contra a gente, em vários municípios  estão proibindo a simples discussão em sala de aula sobre a diversidade ou sobre o machismo, aqui no Brasil as coisas não são fáceis, ninguém quer ser chamado de preconceituoso, mas sempre tem um “mas”, muita gente te aceita gay, desde que você não demonstre ser e existir. No Congresso deputados “cristãos” falsificaram fotos pra queimar a Parada LGBT, numa delas tem dois homens se beijando e uma seria Cristo, o problema que este fato aconteceu nos EUA e não aqui como disseram, mas pra eles vale tudo!

Ontem seu vídeo me doeu na alma, eu estava super feliz pela aprovação do Casamento Igualitário aí nos EUA a comemoração foi linda, o Facebook ficou todo colorido, os meus amigos héteros aderiram como eu nunca tinha visto antes, no seu vídeo você fala de crianças que foram abusadas, nem todo gay, lésbica ou trans foram abusados, na verdade a maioria não foi, o bicho homem às vezes é um monstro, nenhuma criança, mulher ou adolescente deveria passar por isto.

A sua dor me fez lembrar a minha e quando acordei pela necessidade de lutar, não só por mim, mas por todos, na época do finado Orkut eu li em várias comunidades cristãs comentários de ódio contra gays, alguns eram tão agressivos que me fizeram chorar, eu não imaginava que religião poderia ser usada pra disparar tanto ódio, a minha fé não permitia isto.

Eu vi vários de seus vídeos, não concordo com algumas coisas que você fala, mas admiro sua garra, ontem a vi na cruz como a maioria dos LGBTs brasileiros. Senti a sua dor e sinto vontade de te dar um abraço forte. Não estranhe se muito LGBT não entender sua aflição, as pessoas são reativas e espero que não se ofenda por eu ter tomado a liberdade de te escrever e que você tenha mais empatia com a agonia das nossas colegas trans, você sabe quantas morreram desde a Parada? Até outro dia contei cinco assassinadas, mas este número certamente já é superior e sinceramente espero que a gente do lado de cá consiga construir um país melhor e mais justo, e mesmo que você nunca mais volte sinta orgulho de dizer ser o país da diversidade e que não discrimina por você ser quem é.

O vídeo de Karol Eller pode ser visto aqui.

(Visited 602 times, 1 visits today)