Por Leandro Oliveira.

Basta começar qualquer discussão sobre sexualidade e lá vem a falácia da opção sexual. Por vezes, parece que o termo opção remete àqueles programas onde fica uma pessoa oferecendo prêmios do lado de fora, enquanto outra, em uma cabine com isolamento acústico fica gritando “Siiiiiiimmmmmmmmmmm”, “Nãoooooooooooooooo”. O diálogo seria mais ou menos assim:

- Você aceita trocar a sua heterossexualidade pela homossexualidade e ter seus direitos negados, ser perseguido por fundamentalistas religiosos, ser alvo de discriminação e correr o risco de ser assassinado em crimes de ódio. Sim ou não?

- Siiiimmmmmmmmmmmmmmmmmm.

O termo “opção” é ridículo, mas não impede que jornalistas, e até a própria presidenta o utilize.

Por isso, pra tirar todas as dúvidas, o site americano Unicorn Booty, mais uma vez nos presenteou com este esclarecedor infográfico (que foi tão bem traduzido pela gente, tá?!).

Pode ser que algumas pessoas discordem de alguns termos aí propostos (ou sugiram outros), no site original teve bastante discussão sobre o assunto, mas o fato aqui é: “opção” não dá mais, né?

———————————————————————————————————————————

UPDATE:

Eu sabia! Não que eu tenha algum tipo de poder para adivinhações, mas é lógico que as pessoas não iriam concordar com alguns dos termos propostos, tanto que eu disse isso no post. No site americano, de onde este infográfico veio, a discussão que ele gerou foi positiva, pois o espaço para o debate foi utilizado.

Portanto, não está de acordo? Complemente, faça sugestões, informe e ajude a melhorar.  O espaço para os comentários está aí, e com muita educação e respeito, conseguiremos, quem sabe, fazer um infográfico melhor, mais completo e mais informativo. Obrigado.