Por Leandro Oliveira

O Ministério Público do Rio de Janeiro entrou com uma ação contra o vereador Carlos Bolsonaro (PP), por danos morais contra a comunidade LGBT. Após a absolvição de seu pai, Deputado Jair Bolsonaro, pelo Conselho de Ética da Câmara, o vereador proferiu um insulto em sua conta do Twitter: “CHuUuuupa Viadada. Bolsonaro absolvido (…)”. De acordo com o promotor Rogério Pacheco Alves, a conduta do vereador “viola, numa só tacada, diversas normas constitucionais”.

Na ocasião, Jair Bolsonaro estava sendo julgado por ter feito declarações racistas e homofóbicas em um programa de Televisão. Veja a lista de quem votou contra e a favor da continuidade do processo contra Bolsonaro, clicando aqui.

O texto da ação diz que a conduta do vereador Bolsonaro fere o princípio da dignidade da pessoa humana, fundamentado no artigo 1º da constituição, além de outros direitos fundamentais. O promotor ainda afirma que não se aplica a imunidade parlamentar neste caso, pois o comentário foi feito fora do recinto da câmara e não tinha pertinência com o cargo de vereador, e nem com os interesses municipais.

A reportagem do portal R7 entrou em contato com Carlos Bolsonaro que disse que a frase foi feita em resposta a provocações que o político recebia na rede social durante o julgamento do pai no Conselho de Ética.

Bolsonaro, tanto pai quanto o filho, mostram que anos de vida política não foram suficientes para lidar com críticas. O reacionarismo do filho de Bolsonaro beira a infantilidade. Quantos parlamentares já não foram xingados e ameaçados e nem por isso se viu respostas deste nível? Isso se considerarmos que estes xingamentos que Carlos Bolsonaro alega realmente aconteceram. De qualquer forma, esta não deve ser a conduta de uma figura pública, menos ainda de um político eleito cujo salário é pago com os nossos impostos.

Parabéns ao Ministério Público do Rio de Janeiro e a militância LGBT por não ter ignorado o episódio.

-Puxa! Quanta maturidade, vereador!